Buscar
 

Arquivo de Notícias

12/07/2018

Audiência pública debate insegurança nos bairros Alto dos Passos e São Mateus

Entre os meses de janeiro a junho deste ano, a Polícia Militar (PM) registrou cerca de 99 ocorrências, entre roubos, agressões, homicídio, uso e tráfico de drogas, na região dos bairros Alto dos Passos e São Mateus. A localidade que, apesar de ser majoritariamente residencial, abrange, aproximadamente, 50 bares e restaurantes; e tem sido alvo de manchetes nos jornais da cidade, justamente, pelo alto índice de insegurança e vandalismo. 
 
Os membros da  Comissão Permanente de Comércio, vereadores Marlon Siqueira, Kennedy Ribeiro (ambos do MDB), Charlles Evangelista (PSL) e Vagner de Oliveira (PSC); além do vereador Zé Márcio Garotinho (PV), promoveram audiência pública nesta quarta-feira, 11, para discutir o assunto junto aos agentes envolvidos e com as autoridades competentes. 
 
O clima de insegurança atrapalha o funcionamento do comércio, bem como a vivência na localidade. Moradores reclamam da negligência do poder público, que não comparece às reuniões dos moradores ou não atende às solicitações das mesmas. Assim, comerciantes e residentes salientam que a integração entre as associações de moradores, Conselho de Segurança (Conseg) desses bairros e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), junto aos órgãos públicos e de segurança poderia ser a chave para tentar sanar estes problemas.
 
Moradora do bairro Alto dos Passos há 12 anos, Elizabeth Bravo, saiu do Rio de Janeiro a procura de tranquilidade em Juiz de Fora. Relatou que durante este período viu o cotidiano da região mudar drasticamente; e quando procura a PM, não há uma solução imediata que possa resolver a situação. Frisou ainda que, aos finais de semana, a rotina muda e as ruas ao entorno se tornam mais perigosas e a falta de respeito toma conta do ambiente. 
 
De acordo com o delegado titular da Delegacia Especializada Antidrogas, Rogério Couto, as denúncias de tráfico podem ser feitas anonimamente através do disque denúncia (181), destacou que uma parceria entre o Executivo, comerciantes e moradores para a implantação de câmeras pode auxiliar nas investigações.
 
“Uma força tarefa deve ser feita com a participação de todos os agentes e órgãos envolvidos”, destacou o representante da 22ª companhia da PM, capitão Vinícius Castro. Ademais, complementou que é importante que a comunidade denuncie e não ajude os flanelinhas/mendigos, já que a Prefeitura possui serviços destinados à essa população. Inclusive, a inserção da área azul, foi uma ferramenta que teve como finalidade inibir a ação de flanelagem que persiste na área.
 
Está previsto, até outubro deste ano, a nomeação de 21 guardas municipais e a aquisição de um drone, instrumento que vai poder auxiliar no controle da defesa pública em locais distantes, segundo o secretário municipal de segurança pública, José Armando Pinheiro da Silveira. 
 
Além desses problemas, tem-se verificado alto índice de consumo de álcool, por menores de idade, sem falar nos dependentes químicos que frequentam o local. A atuação da Secretaria de Desenvolvimento Social seria essencial para auxiliar no tratamento dessas pessoas, salientou a vereadora Delegada Sheila (PSL).  Charlles defendeu o armamento da Guarda Municipal como forma de combate a insegurança, e que o município deve ter mais responsabilidade com esta área, e não deixar só nas mãos do Estado. 
 
Já o vereador Zé Márcio reforçou que é necessário o cumprimento de leis, como a do Sossego, e do código de postura municipal a fim de coibir as infrações dos bares e restaurantes da localidade, que também causam transtornos ao entorno, como, por exemplo, o uso inadequado de cadeiras nos passeio. Corroborando com tal afirmação, o vereador Sargento Mello Casal (PTB), disse que é necessário o cumprimento integral das leis, para que a ordem não seja infringida e o caos não se instale, sobretudo, no que tange ao trânsito e ao volume do som dos carros. 
 
“Nossa legislação favorece a impunidade, a permissividade”, firmou o vereador Dr. Adriano Miranda (PHS), que mencionou a importância da revisão do código de postura como uma forma de atualizar o mesmo para que possa ser de fato efetivo. 
 
A criação do Comitê interinstitucional, foi proposto pelo vereador Marlon Siqueira, para resolver problemas pontuais de segurança, não só nesses bairros, como em outros que também sofrem das mesmas situações. Garotinho disse que reuniões entre os parlamentares e representantes das pastas envolvidas serão feitas para poder encontrar um denominador comum que possa resolver os problemas desses bairros. 

Conheça a Câmara
 
Alunos da Escola Estadual Francisco Bernardino, que participaram do projeto “Conheça a Câmara”, e visitaram o Legislativo, puderam acompanhar a audiência pública. Regulamentado em 2014, o projeto tem como objetivo promover a interação entre o Poder Legislativo e a sociedade por meio de visitas guiadas pelos setores da Câmara e também pelos gabinetes dos vereadores, para apresentar as funções, a história e o papel do Legislativo municipal.
 
 
Informações: 3313-4734 / 4941 -  Assessoria de Imprensa

Visualizada pela 102ª vez

Câmara Municipal de Juiz de Fora
Rua Halfeld, 955 - Centro, Juiz de Fora/MG
Tel: (32) 3313-4700

design by
©2011 Câmara Municipal de Juiz de Fora | Licensa Creative Commons